segunda-feira, 25 de janeiro de 2016


Deus Manifestado em Carne

24 de janeiro de 2016

                                                Viamão-RS                                               

Diógenes Dornelles
1 - 1 Timóteo 3:16
Evidentemente, grande é o mistério da piedade: Aquele que foi manifestado na carne foi justificado em espírito, contemplado por anjos, pregado entre os gentios, crido no mundo, recebido na glória.

O Codex Sinaiticus

2 - Em 1859 um lingüista alemão chamado Constantin von Tischendorf, descobriu no mosteiro de Santa Catarina, que ficava no sopé do monte Sinai, o Codex Sinaiticus, que é uma das traduções mais antigas da Bíblia existentes até hoje. Com ela foi possível descobrir algumas alterações e interpolações feitas ao texto original grego, como nessa passagem que acabamos de ler, onde na maioria das traduções bíblicas que se dispunha até então, aparecia “Deus foi manifestado em carne”, do grego “Theon”, enquanto o texto do Codex Sinaiticus dizia “Ele” ou “Aquele que foi manifestado em carne”, do grego “ov”, referência clara ao Senhor Jesus Cristo e não a Deus precisamente. Todos os textos posteriores do grego sofreram essa modificação, feita provavelmente por algum copista que tentou fazer de Jesus o próprio Deus.

3 - Essa bíblia foi produzida pelo menos 50 anos antes de São Jerônimo traduzir a sua versão do grego para a Vulgata latina em 384, que já na sua tradução aparecia a variação para “Deus”, obviamente para atestar a doutrina da santíssima trindade que estava sendo discutida no concílio de Constantinopla, em 381. Archibald Thomas Robertson, embora fosse um trinitário, reconheceu – assim como vários outros estudiosos trinitários – que houve realmente uma manipulação no texto grego original. Hoje a maioria das boas traduções prefere excluir a Palavra “Deus” porque já sabem que se tratou de uma alteração, embora os defensores do trinitarianismo não veem nisso nenhuma ameaça à sua doutrina.

4 - A tradução do Rei Tiago em inglês está assim, “Deus”, e como era assim que o irmão Branham lia a sua bíblia, era dessa maneira que ele a interpretava para a sua audiência, embora ele o fizesse de uma maneira peculiar sua, tratando de explicar sobre como Deus Se manifestou em carne humana ao habitar no corpo de Seu Filho. Para isso, ele se baseou não somente nesta Escritura, mas também em outras, procurando dar a compreensão mais bíblica possível sobre o tema, que só é alcançada quando juntamos todas as informações que ele transmitiu sobre isso.

Saia do Meio de Toda Incredulidade

5 - Entretanto, tanto a doutrina trinitária como a unicista, tiram proveito dessa tradução para fazer de Jesus Cristo o próprio Deus eterno, provando mais uma vez algo que eu já venho afirmando faz algum tempo, de que, essencialmente, não existe nenhuma diferença entre essas duas doutrinas. Elas são irmãs gêmeas, que embora se rivalizem uma contra a outra, acabam por fim defendendo os mesmos pensamentos pagãos. Por causa disso, o irmão Branham admoestava que a Noiva do tempo do fim precisa se ver livre de toda a incredulidade e dos sistemas e doutrinas criados pelo homem, se Ela quiser realmente conhecer a verdade.

O Sinal (08/03/1964) § 92 – sem tradução - Israel saindo do Egito, como eu disse, é como a – a Noiva saindo da igreja. Quando Moisés começou seu ministério, todo Israel se reuniu em Gosén, para oração e adoração, exatamente, vindo de todas as partes do Egito. É assim que a Noiva fará, Ela sairá de toda a unidade, dualidade, trindade, e todos os outros tipos. Ela sairá. Tem que ser. Agora, nós lemos aqui em Hebreus... Nós agora, a primeira coisa que devemos pensar, vindo de todas as partes: “Saí do meio da incredulidade”. Agora, o Espírito Santo prometeu chamar isto nos últimos dias: “Saí do meio dos infiéis”.

6 - Cada uma dessas doutrinas possui os seus próprios erros. Por que você não pode ser um unicista? Qual é o grande erro que a doutrina unicista comete? De negar a existência do Filho de Deus, fazendo Dele apenas uma outra forma de Deus manifestar-Se. Essa doutrina reduz o Filho a somente um ofício ou papel temporário que Deus dramatizou, Se fazendo passar por alguém diferente Dele mesmo. Deus então Se passava por um outro, quando na verdade Ele era esse outro.

7 - Qual é o erro da doutrina dualista? No cristianismo você não tem quase notícias de alguma corrente que defenda um dualismo, portanto é difícil você encontrar uma definição única para isso. Faça você mesmo uma pesquisa e você verá que há dificuldades para se encontrar uma definição para isso no cristianismo. Mas em se tratando do tema sobre a Divindade, esse termo é usado para se referir a uma doutrina que tenta corrigir o trinitarianismo ou o unicismo, reafirmando a existência real de um Deus que formou o Seu Filho, mas que O torna uma criatura como as demais, ainda que seja apresentado como a mais perfeita de todas e também ao mesmo tempo como uma divindade, porém diferente DA Divindade. Porém nesse caso o único dualismo existente seria apenas dessa separação entre Deus e o resto da Sua criação, onde o Filho apenas encabeçaria as demais criaturas como sendo a mais perfeita de todas. Porém isso seria um extremo. Outro extremo dualista, se é que isso possa existir, seria de tentar fazer desse Filho um Ser tão eterno quanto Deus, sem nenhum princípio de existência, o que faria Dele um segundo Deus ou dois deuses, fazendo do Filho a segunda maior Pessoa de todo o universo.

8 - A doutrina trinitária é tão pagã quanto às demais. Em um grande sincretismo com outras religiões pagãs, o conceito de Trindade divide o mesmo Ser de Deus em três Pessoas divinas e distintas uma da outra, embora todas as três sejam o mesmo Ser de Deus. Essa doutrina faz de Jesus um Filho eterno e co-igual com Deus.

9 - O irmão Branham disse que a Noiva precisa então desvencilhar-se de todos estes pensamentos humanos, se quiser realmente refletir a doutrina dos apóstolos na sua pureza, e foi isso que ele procurou fazer durante todo o seu ministério.


Jesus Como o Originador e Autor da Criação de Deus

10 - De acordo com essa tradução de 1 Timóteo 3:16 e de várias outras passagens das Escrituras, o irmão Branham afirmava que Deus Se tornou carne na Pessoa de Seu Filho Jesus Cristo. Uma outra Escritura em especial na qual ele também se deteve para dar essa mesma compreensão foi a de Apocalipse 3:14, embora ele a interpretasse pelo menos de duas formas diferentes. Uma delas pode ser verificada no Livro das Eras.

Livro das Sete Eras, pags. 302-303. - “O Princípio da Criação de Deus.” É isso Que o Senhor Jesus diz que Ele é. Porém estas palavras não significam exatamente como soam para nós. O fato de tomá-las da maneira como soam tem feito algumas pessoas (na realidade multidões de pessoas) pensarem que Jesus foi a primeira criação de Deus, fazendo-O menor do que a Divindade. Depois esta primeira criação criou todo o restante do universo e tudo quanto ele contém. (Essa é a interpretação das testemunhas de Jeová, a qual o irmão Branham diz aqui estar errada) Porém isso não é correto. Você sabe que isso não se alinha com o restante da Bíblia. As palavras são: “Ele é o ORIGINADOR ou AUTOR da criação de Deus.” (Bem, essa é também a mesma interpretação trinitária; portanto o irmão Branham aparentemente demonstra aqui estar concordando com os trinitários neste ponto) Sabemos com segurança que Jesus é Deus, o próprio Deus. (Agora o irmão Branham está dizendo algo que tanto os trinitários quanto os unicistas concordam) Ele é o Criador. João 1:3: “Todas as coisas foram feitas por Ele, e sem Ele nada do que foi feito se fez.” Ele é Aquele de Quem é dito em Gên. 1:1: “No princípio criou Deus os céus e a terra.” Também diz em Êx. 20:11: “Porque em seis dias fez o Senhor os céus e a terra, o mar e tudo o que neles há, e ao sétimo dia descansou.” Veja, não há dúvida de que Ele é o Criador. Ele foi o Criador de uma CRIAÇÃO FÍSICA CONCLUÍDA. Certamente podemos ver agora o que estas palavras significam. Ter qualquer outra interpretação significaria que Deus criou Deus. (O irmão Branham está nos dizendo algo muito importante aqui, mas nós deixaremos para comentar sobre isso mais adiante.) Como poderia Deus ser criado quando Ele próprio é o Criador?

Deus Criando a Si Mesmo

11 - Há ainda uma outra interpretação que ele dava para essa mesma passagem, que pode ser visto tanto nesse próprio Livro das Eras, como também em suas mensagens pregadas, onde o irmão Branham usou essa mesma Escritura em que Jesus dizia ser “o princípio da criação de Deus”, como significando Deus sendo criado na forma de Seu Filho, interpretação essa que é totalmente contrária a todos os exegetas e estudiosos da Bíblia. Desta forma, o irmão Branham tinha uma maneira toda peculiar de expor esse seu ensino, ao afirmar que a fim de se tornar como um de nós, Deus havia na verdade criado a Si mesmo. Quando Deus criou um corpo para o Seu Filho, esse corpo era na verdade uma criação de Si mesmo em uma forma humana.

Por que Tinha Que Ser Pastores? (21/12/1964) § 98
Ele havia começado uma nova criação. O que era? Uma criação de Si mesmo. Deus foi feito carne e habitou entre nós. Isso é... A Bíblia disse: “No princípio da criação de Deus”. Deus foi criado em forma humana; em Jesus Cristo, Seu Filho, Deus habitou. Ele construiu Seu tabernáculo de carne e ossos, e viveu neste tabernáculo; Deus, Emanuel, “Deus conosco”. Ele mesmo construiu uma casa, para viver nela, de modo que Ele pudesse refletir Sua Palavra aos Seus súditos através disso. Você sabe o que Deus é quando você vê Cristo.

12 - Esse ensino de William Branham é único e não tem par entre as teologias correntes de nosso tempo. Diferente de todas as outras doutrinas, o irmão Branham ensinava que uma vez que o Filho de Deus ecoava e refletia o Seu Pai em toda a Sua essência e imanência, isso O tornava Deus na terra em Seu corpo físico. O irmão Branham ensinava que todos os atributos de Deus e Suas características estavam como que impressas naquela carne, de tal maneira que o corpo humano de Jesus era uma manifestação de Deus, como se Ele fosse um “deus” criado. Então, ao criar um corpo de carne para o Seu Filho, o que Deus estaria fazendo na verdade seria uma criação de Si próprio, para que Ele pudesse Se refletir e ser conhecido quando alguém contemplasse a aparência física do Seu Filho. Portanto quem olhasse para Cristo estaria vendo o próprio Deus.

13 - No nascimento virginal, ao criar o espermatozoide e o óvulo a fim de gerar o corpo do Seu Filho no ventre da virgem Maria, esse corpo possuía então o Sangue criativo de Deus mesmo, e não de um homem comum. Embora aquele corpo de carne não fosse a Pessoa de Deus reduzida ali, Seus atributos estavam reduzidos naquele corpo, o que para o irmão Branham isso já era o suficiente para fazer daquele bebê Deus Jeová, ou Deus criado em uma forma humana.

A Era da Igreja de Laodicéia (11/12/1960) § 111 – sem tradução - “...E Eu sou o princípio da criação de Deus. Através das eras da igreja que estamos a ter, você aprenderá que Eu sou Deus, Deus criado em uma forma de homem. Eu sou o princípio da criação de Deus!”. Amém. Isso faria um presbiteriano gritar. Apenas pense nisso! “O princípio da criação de Deus”. Agora, eu... Oh, como eu gosto disso, “a criação de Deus”, quando Deus foi criado, quando Deus Se fez carne em Jesus Cristo e habitou entre nós.

Apocalipse Capítulo 4, nº. 3 (08/01/1961) § 128
“Jesus Cristo é o princípio da criação de Deus”, Apocalipse 1. Está certo? (Não. Isso está no capítulo 3) Então quando Deus foi criado? Ele é o princípio da criação de Deus. E Deus é eterno. Isso está certo? Mas quando Deus foi criado... quando um bebezinho foi concebido no ventre de uma mãe, uma virgem. (Ele está dizendo que aquele bebê na manjedoura era Deus criado) E ela começou a desenvolver essas células dentro dela para trazer este pequeno bebê, isso foi o começo da criação de Deus: “Porque Deus Se fez carne e habitou entre nós, e se tornou Emanuel, ‘Deus conosco’, o princípio da criação de Deus”.

14 - Com respeito à manifestação de Deus em carne, o estudante da Mensagem também precisa estar atento para o fato de que para o irmão Branham, Deus Se fez carne pelo menos de duas maneiras, sendo que uma delas foi durante a criação do corpo para o Seu Filho, e a outra quando da Sua descida no batismo de Jesus no rio Jordão.

Livro das Sete Eras pag. 116 - Deus desceu numa célula de sangue, não através de um homem, mas pelo Espírito Santo, e naquele ventre virgem foi formado um tabernáculo com o propósito de morrer. A Semente da mulher veio a fim Dele ser ferido para nos trazer a nossa salvação. Quando o Espírito Santo veio sobre Maria, Ele criou dentro de seu ventre a célula que se multiplicaria e se tornaria o corpo de nosso Senhor. Aquela célula foi criada. Foi o Princípio da Criação de Deus. (Jesus está aqui como um “deus” criado, cujo corpo é uma manifestação de Deus em criação. Porém não se esqueça que estamos lendo isso do seu Livro das Eras, o mesmo onde capítulos depois, conforme já verificamos, ele dará uma outra explicação para essa mesma Escritura. Veja que o irmão Branham deu pelo menos duas interpretações diferentes para essa mesma passagem bíblica de Apocalipse 3:14. Entretanto, é importante que o crente da Mensagem entenda que nunca essas declarações devem ser lidas ou estudadas separadamente, pois do contrário, isso acarretará em interpretações ambíguas e desencontradas de sua doutrina ou do seu modo de ensinar.) Isso é o que Jesus é. E aquele Santo foi cheio de sangue Santo, a saber, o Sangue de Deus. Aquele tabernáculo nasceu. Ele cresceu até ser um homem. Ele foi ao Jordão e lá aquele Sacrifício foi lavado por João no rio chamado Jordão. Quando aquele Sacrifício Aceitável levantou-se das águas, Deus veio e habitou Nele, enchendo-O com o Espírito sem medida. (Agora Deus está de fato manifestado em carne porque agora Ele está habitando em Seu Filho, dando a Ele visões e poder para operar os sinais) E quando Ele morreu e derramou Seu Sangue, a perfeita vida de Deus foi liberada para voltar sobre o pecador que aceitasse Cristo como seu Salvador.

15 - Ao criar um corpo de carne no ventre de Maria, Seu Sangue criativo fazia daquele corpo uma expressão de Si mesmo. O Pai de Jesus Cristo, que é o Espírito Santo, gerou o Seu Filho, O qual levava desde o Seu nascimento as características de Seu Pai em Si, mas a Pessoa de Deus mesmo não estava habitando em plenitude nesse corpo até então; prova disso foi que Jesus não operou nenhum sinal até ser cheio com o Espírito Santo após o Seu batismo no rio Jordão. Foi só nessa ocasião que Deus Se fez carne plenamente, depois de descer do céu como uma pomba e habitado em plenitude no corpo de Seu Filho. Doravante, Deus não estava manifestado naquela carne somente por Seus atributos estarem reduzidos naquela forma humana que Ele criou, como também agora que o Espírito de Deus passou a ungir e habitar corporalmente naquele tabernáculo de carne para Se expressar em plenitude.

Deus Não é Uma Criação

16 - Porém embora o irmão Branham tenha dito nessas passagens que lemos a pouco, de que Deus foi uma criação através do corpo de carne criado de Seu Filho, ele ao mesmo tempo irá nos dizer que na verdade Deus nunca foi e jamais poderá ser criado.

A Era da Igreja de Esmirna (06/12/1960) § 130 – sem tradução
Qualquer coisa que teve um começo tem um fim, porque qualquer coisa que teve um princípio é uma criação. Mas Deus não foi criado, Ele sempre foi Deus. Não há nenhum lugar em que Ele fosse criado.

17 - Tudo que o irmão Branham está dizendo aqui parece uma contradição com o que acabamos de ver, onde ele disse que Deus era uma criação quando criou a forma humana de Seu Filho Jesus Cristo. Mas como agora ele está nos dizendo que Deus não é uma criação, então tampouco aquele corpo de carne poderia de fato ser Deus criado realmente. Portanto se todos pudessem verdadeiramente entender o que o irmão Branham estava ensinando, ao afirmar que Deus foi criado na forma humana de Seu Filho, muitas outras afirmações doutrinárias suas poderiam ser melhor compreendidas. Por causa dessa deficiência, tais afirmações não compreendidas são geralmente usadas para forçar William Branham a defender uma linha de pensamento unicista, quando ele mesmo disse inúmeras vezes que não era unicista.

A Era da Igreja de Esmirna (6/12/1960) § 107 – sem tradução
Agora, eu não sou unicista. Eu não creio no unicismo da maneira que eles creem.

18 - Então nada do que o irmão Branham disse deveria ser usado para defender tal doutrina, pois todo o esforço que for empenhado para tal expediente será falso. Então nós já podemos entender, pelo o que o irmão Branham está nos dizendo, de que Deus não poderia ser criado porque Ele é um Espírito eterno, sem princípio e sem fim.

A Era Igreja de Laodicéia (11/12/1960) § 110 – sem tradução
Agora, para mostrar que Ele era o “Primeiro” também, como Ele era, Ele é “o princípio da criação de Deus”. (Está falando de Jesus, o Filho de Deus) Oh! Você captou isso? Vê? Como Deus poderia ser criado se Ele é um Espírito? Como poderia ser? Ele é – Ele é Eterno! Ele nunca foi criado, Ele nunca será criado, (na cabeça de um crente destreinado, tudo isso é apenas uma outra contradição do irmão Branham, mas o que ele está nos dizendo de fato aqui é: “Deus nunca teve um princípio e nunca terá um fim, portanto Deus nunca poderá nascer e nem morrer, porque Ele é eterno”) porque Ele era Deus no princípio. Mas Aquele que é “o princípio da criação de Deus” era Jesus Cristo, quando Ele Se manifestou, quando Deus viveu Nele. Ele é a criação de Deus! (Ou seja, Jesus em um corpo de carne divinamente criado fez Dele um “deus” criado) Oh, que coisa! Veja, “O Primeiro e o Último, o Amém, o princípio da criação de Deus”. Quando Deus mesmo criou um corpo, Ele desceu e viveu nele, que é o princípio da criação de Deus. Vê? Oh, Ele não é maravilhoso?

19 - Então essa descida de Deus nesse corpo precisa ser compreendida de duas maneiras. Primeiro Deus desce para Se envolver nesse corpo para imprimir nele as Suas “impressões digitais”, digamos assim, todavia sem habitar neste corpo. Seus atributos estão reduzidos nesse corpo de modo que ele possa ser de alguma maneira uma manifestação de Deus em Seu poder criador. Quem primeiro irá habitar nesse corpo de fato será o Seu Filho, que não é uma criação, pois Ele é o Logos que foi gerado e saiu de Deus antes da criação. Esse mesmo Logos possuía um corpo teofânico que o Seu Pai Lhe deu e que, segundo o irmão Branham, antes da criação era também o corpo do próprio Deus Jeová.

Vida (02/06/1957) § 58
E então da existência do Pai saiu o Logos, que era o Filho, que era a teofania, que era o corpo do grande Deus Jeová que saiu em um corpo celestial. Esse é o Logos. A Palavra falou daquelas grandes fontes da vida e saiu. E lá estava a teofania, que era Deus feito em Palavra.

20 - Palavra é um pensamento expresso; então primeiro Deus pensou em Seu Filho e depois expressou esse pensamento pela Palavra falada, e quando Ele falou a Palavra, Ela se materializou em Seu Filho, que antes estava apenas em Sua mente, mas que agora passa a existir em uma forma teofânica na qual Deus também habitou e Se manifestou. Então esse Logos que saiu de Deus não era mais um pensamento mental de Deus, mas sim Deus mesmo expresso em Palavra falada, porque aquele Filho estava expressando o Seu Pai, cujo corpo celestial era também do próprio Deus Jeová no qual estava igualmente habitando.

Hebreus Capítulo Um (21/08/1957) § 130 - E isso era a teofania que era o Filho de Deus. Esse Filho, esse Logos, se tornou carne, (está falando agora do nascimento virginal do Logos, que não Se tornou Filho somente após o nascimento carnal, visto que esse Logos já era um Filho antes mesmo disso) porque fomos colocados em carne. E a teofania, o Logos, se tornou carne, aqui entre nós, (Então Quem foi que nasceu? Seu Filho que antes preexistiu em uma forma teofânica, a mesma que o Seu Pai também usava) e Ele nada mais era do que o lugar de habitação, pois toda aquela Fonte habitou Nele.

21 - Então agora nós já conseguimos entender que aquele bebê na manjedoura era Deus, não somente por causa do corpo daquele bebê levar consigo o Sangue criativo de Seu Pai, mas porque o Filho preexistente habitou em Seu corpo de carne com Sua teofania, que antes da criação também era o mesmo corpo espiritual que Deus estava usando em Suas manifestações.

22 - Outra situação que precisa ser entendida, é de que o nascimento daquele bebê cumpriu algumas Escrituras, e tudo mais que Ele veio a fazer depois em Seu ministério terreno, pois tudo já estava profetizado. “O Espírito do Senhor Deus está sobre Mim porque Ele Me ungiu para pregar as boas novas...”. (Isaías 61) Então Jesus também era Deus pelo fato de Ele estar cumprindo a Palavra, que é Deus mesmo; então Jesus Se tornou a Palavra escrita – que é Deus – encarnada em forma humana.

23 - Então observe que o irmão Branham nos diz que Deus é uma criação e ao mesmo tempo Deus não é uma criação. Isso não é um ensino contraditório seu, mas serve apenas para nos mostrar que nunca poderemos entendê-lo baseando-se somente em uma única declaração isolada de todo o restante da sua teologia.

24 - Quando o irmão Branham diz que Deus não foi criado, ele está nos esclarecendo que aquele bebê na manjedoura não poderia ser de fato a Pessoa de Deus, pois aquele bebê era uma criação, e Deus não pode ser uma criação porque Ele não pode ter um princípio, portanto Deus não pode nascer e nem muito menos morrer. O corpo criado de Jesus fazia Dele um Deus criado, mas Deus mesmo não pode ser uma criação.

Nomes Blasfemos (4/11/1962) § 240
Agora, eles estavam olhando para aquele pequeno corpo que nasceu de Maria. Está vendo? Aquele não era Deus; aquele era o Filho de Deus, mas Deus estava naquele corpo. Era Deus. Ele disse: “Se Eu não fizer as obras de Meu Pai então condenai-Me...

25 - A outra maneira em que Deus desceu no corpo de Seu Filho foi para de fato habitar nele plenamente sem medida em Espírito.

Provando Sua Palavra (16/08/1964) § 145
Agora, vemos que Deus entrou nesta pequena célula, veja, e Ele começou a desenvolver células, absorveu as vitaminas da Sua mãe e coisas assim, como ela. (Essa foi a Sua primeira descida até este corpo. Em seguida ele falará da segunda) Então quando Ele chegou na idade suficiente para Ele mesmo comer, Ele começou a comer. E o que é isso? É o - é o pó da terra, de onde uma pessoa vem e a vida vegetal e a vida animal e assim por diante, e Ele, ao começar a comer peixe e pão e assim por diante, começou a desenvolver células. E então quando estava completamente amadurecido aos trinta anos de idade, Ele foi batizado em obediência a João aqui embaixo, ou a Deus, na água, e se foi. E o que aconteceu? A Pomba, que era Deus, descendo do Céu, com uma voz dizendo: “Este é o Meu Filho amado em Quem Me comprazo habitar.”

26 - Veja, se você interpretar literalmente que Jesus era Deus quando nasceu em um corpo de carne, como seria possível o irmão Branham dizer agora que Deus desceu em Seu Filho no Jordão para habitar Nele a fim de que o Filho pudesse atuar como Deus, se Deus já estivesse Nele antes disso? Então você precisa entender a linguagem do irmão Branham. Embora ele dissesse que Deus era uma criação por causa do corpo que Ele criou para o Seu Filho, ele não estava com isso dizendo que Jesus era o próprio Deus.

O que Ele veio fazer? Redimir essa parte da terra. Ele era o princípio da criação de Deus. Porque, Deus não é criação, somente em Cristo Ele é criação, porque Deus é eterno e um Espírito, e não se cria um Espírito. Ele era o princípio da criação de Deus, e Deus redimiu esse corpo. Veja, quando Ele desceu: “Este é o Meu Filho amado, Nele Me comprazo.”

Jesus Era Deus Porque Seu Pai Habitava Nele

27 - Então por Jesus ser a criação de Deus, pelo fato de ser a Palavra encarnada e pelo Pai estar habitando Nele em plenitude, isso possibilitou que Deus pudesse andar entre os homens fazendo de Seu Filho Deus na terra.

Paradoxo (10/12/1961) § 253 - Jesus fez as obras de Seu Pai porque o Pai estava Nele. Foi por isso que as obras foram feitas, porque o Pai estava no Filho. Crê você nisto? Aquilo Nele. Ele era o Deus encarnado. Vocês crêem nisto? (“Amém”). Aquele, Deus o Pai, o qual é o Pai de Jesus Cristo, o grande Espírito habitou (na plenitude de Seu poder) em Jesus Cristo o qual foi o Tabernáculo de Deus feito carne e habitou sobre a terra, representando a Palavra. Jesus era a Palavra. A Bíblia diz assim, São João capítulo primeiro. E a Palavra era invisível até que Ela Se tornou carne, e então a Palavra Se tornou visível.

O Tanque de Betesda (11/08/1950) § 6 – sem tradução
E aqui veio Jesus, o Filho de Deus. Bem, Ele era – Ele foi Deus na terra. Ele foi Deus na carne. 1 Timóteo 3:16: “Sem controvérsia, grande é o mistério de Deus, pois Deus Se manifestou em carne”. A Bíblia diz que Deus estava em Cristo reconciliando-Se com o mundo. A única maneira em que Deus poderia fazer-Se conhecido, era viver em Seu Filho, Jesus Cristo, sofrer a morte e a tentação por toda a raça humana. E Ele tinha… todas as qualidades do Pai estavam Nele.

28 - Eram os atributos de Deus manifestados na carne do Filho que Lhe permitiam ser Deus em criação e Deus na plenitude do Espírito.

A Ressurreição de Lázaro (13/08/1950) §§ 48-50 – sem tradução
Ele era mais do que um homem; Ele era um Deus-homem. Ele era Deus naquele Homem. Ele estava personificando (Do inglês “personifying”, também “representando”) a Si mesmo aqui em Seu Filho: Deus estava, Ele mesmo, Nele. É Deus, habitando. Olhe para Ele. Ele era verdadeiramente um homem quando Ele estava chorando, Ele era um homem. Mas quando Ele ressurgiu dos mortos, Ele era Deus. Quando Ele desceu da montanha naquela noite, quando Ele estava com fome... [Espaço vazio na fita - Ed.] Algo para comer. Mas quando Ele tomou cinco biscoitos e alimentou cinco mil, Ele era Deus falando do Seu Filho. Deus estava em Seu Filho. Você não crê nisso? Sim senhor.

Como Fui Com Moisés (03/05/1951) § 15 – sem tradução
E eu... Ele disse: “Eu e o Meu Pai somos Um. Meu Pai habita em Mim”. Assim como Jeová... Exatamente o que Jeová era, Jesus era. Ele era a imagem expressa Dele. Ele era Deus em forma aqui, e todos os poderes de Deus formados e colocados em um corpo humano. Ele disse: “Não sou Eu que faço as obras, é o Meu Pai que está em Mim; Ele faz as obras”.

Senhor, Mostra-nos o Pai e Isto Nos Basta (07/09/1953) § 95 – sem tradução
Quando Ele estava na terra, Ele disse que Ele era Deus. Ele parecia Deus. Ele falava como Deus. Ele pregava como Deus. Aleluia. Ele curava como Deus. Ele ressuscitou como Deus. Ele subiu como Deus. Aleluia. E Ele era Deus. Aleluia. Ele era Deus na carne. Deus estava em Seu Filho manifestando-Se ao Seu povo.

Mostra-nos o Pai (25/06/1955) § 22 – sem tradução
Agora, quando Ele esteve aqui na terra, Ele disse que Ele era Deus. Ele agiu como Deus. Ele pregava como Deus. Ele curava como Deus. Ele morreu como um homem, (Porque como Deus Ele não poderia morrer) mas Ele ressuscitou como Deus. Deus estava em Cristo reconciliando Consigo o mundo a Si mesmo. Você crê nisso? Obrigado.

Guiado Pelo Espírito de Deus (23/07/1956) § 69 – sem tradução
“Vem e vê”. Ele saiu para a sepultura chorando. Quando Ele saiu para a sepultura, Ele sempre foi guiado pelo Espírito de Deus, porque Deus estava Nele sem medida. Ele era Deus, que estava no interior Dele.

Deus em Seu Filho Viveu Todos os Estágios de Uma Vida Humana

29 - Então o fato de Jesus Cristo ser o Filho de Deus que antes era o Logos que Se fez carne em Sua teofania, cujo corpo de carne levava os atributos de Deus, e porque Ele era a Palavra escrita de Deus em carne humana, isso tudo já fazia Dele Deus na Sua forma visível, embora com limitações, até Deus habitar em plenitude em Seu Filho. Então nestas condições, o irmão Branham disse que Deus pôde, através do Seu Filho, experimentar todos os estágios pelo quais um ser humano pode passar.

Um Super Sinal (27/12/1959) § 73 - Veja, nas leis de Deus de redenção, como foi com Boaz e Noemi, tinha que ser um parente próximo. E a única maneira que o homem poderia ser redimido, Deus teria que Se tornar um parente próximo. Eu quero que vocês vejam isto. Ele nunca teve parentesco de modo geral com os ricos e os poderosos, mas Ele nasceu em um estábulo, enrolado em faixas; não adulto, mas criança. Ele era Deus sobre a criação. Ele escolheu fazer isto. Não Se tornar um homem totalmente maduro; Ele veio para que Ele pudesse sofrer os sentimentos dos nenezinhos. Ele veio para que Ele pudesse passar pelas tentações dos adolescentes. (Como isso foi possível? Por Ele ser Deus em criação) Pudesse ir, para que Ele pudesse lutar contra os laços e as ciladas do diabo, como um homem, e fazer um caminho para pessoas de todas as idades, de todas as idades e classes: o pobre, o rico, e todos. Ele Se tornou pobre, para que, através de Sua pobreza, nós pudéssemos nos tornar ricos e herdeiros com Ele no Reino. Um sinal seria dado, através Dele mesmo, fazendo a Si mesmo algo diferente do que Ele era; agora um super sinal, chorando como um bebê, brincando como um menino, trabalhando como um homem, mas isto era Deus vivendo em todos os estágios da vida como nós vivemos.

30 - Nestas condições, Deus em Sua forma criada como um ser humano pôde não somente nascer, como também até mesmo morrer.

Um Maior Que Salomão Está Aqui (05/06/1963) § 284
Agora, aquela mesma Coluna de Fogo que estava no deserto com os filhos de Israel, foi feita carne, Deus encarnado entre nós, numa forma de ser o Filho de Deus, que cobriu a virgem com a sombra e O trouxe para que Deus pudesse se tornar humano para morrer, para pagar o preço de Sua Própria lei. Vê? Este é o Evangelho.

O Sinal do Messias (29/03/1959) § 60 - Deus morreu por todas as criaturas: o homem branco, o homem negro, o homem amarelo, o homem marrom, o homem vermelho, e todos. Todos eles são criaturas de Deus.

O Cristo Identificado de Todas as Eras (17/06/1964) § 177
Deus morreu por todos nós. Isso mesmo.

31 - Porém ao mesmo tempo em que o irmão Branham dizia que Deus foi feito Homem para morrer, também disse que Deus na verdade não poderia morrer porque Ele é eterno.

Levantando-O e Tirando-O da História (01/10/1958) § 78
Quando esse Deus, habitando em um corpo chamado Jesus, o Filho de Deus, quando Ele foi chamado em cena, chamado da história, o Deus que podia ressuscitar ao morto no Antigo Testamento, trazer vida a um bebê morto através de um profeta, AQUELE DEUS NÃO PODE MORRER. Ele é Deus eternamente.

Aqui o irmão Branham está dizendo que o mesmo Deus que habitava no corpo de Seu Filho não podia morrer porque Ele é eterno. Bem, se Deus não pode morrer porque é eterno, então isso só pode significar uma única coisa: Aquele que morreu na cruz não era Deus. E por conseqüência, se o que o irmão Branham disse no Livro das Eras era verdade, de que Deus não pode criar Deus, então aquele bebê que nasceu também não era Deus, pois Deus não pode literalmente criar a Si mesmo.

Jesus Foi o Representante de Deus

32 - Então como entender essas aparentes contradições que o irmão Branham fazia? Seria possível que o tipo de linguagem que ele estivesse usando fosse apenas figurada? Como é possível ele dizer que Deus criou a Si mesmo e ao mesmo tempo dizer que Deus não pode ser criado? Como é possível dizer que Deus morreu e ao mesmo tempo dizer que Deus não pode morrer? A resposta para tudo isso é uma só: Deus nasceu e morreu por REPRESENTAÇÃO. Jesus não era Deus, porém Ele estava na terra como o Seu representante, tanto na vida como na morte.

Eu Sou a Ressurreição e a Vida (10/08/1952) § 62 – sem tradução - Portanto, não... Ela sabia. E ela correu até Ele. Olha para ela. Eu amo isto. Ela correu, esta linda jovem donzela judia caiu aos Seus pés e disse: “Senhor”. Isso é o que Ele era. Aí está o Seu título. “Eu creio que Tu és o Senhor. Senhor, se Tu estivesses aqui, meu irmão não teria morrido”. Olhe para isso. Toda a escuridão, todas as dúvidas, todos os medos, tudo havia partido; ela estava com Jesus então. Ela sabia que se Ele – se Deus estava em Seu profeta, Deus estava em Seu Filho. E esse era o representante de Deus então.

33 - A palavra “representante” de acordo com o dicionário quer dizer uma pessoa que “age legalmente em nome de alguém; um mandatário”; “que representa algo, alguém e age em nome dessa pessoa ou coisa”. “que pode representar; que se toma como modelo: produto representante”; “que pode agir em nome de outra pessoa”. Então era por isso que Jesus dizia: “Eu vim em Nome de Meu Pai” (João 5:43), pois Ele veio à terra como Seu representante. Se essa palavra ainda não perdeu o seu significado, será exatamente isso que Jesus foi em carne humana, de acordo com o profeta. Jesus não era Deus quando nasceu e nem quando morreu, mas Deus estava o tempo todo sendo representado Nele.

A Ressurreição de Lázaro (22/11/1953) §§ 89-90 – sem tradução - Ela disse: “Sim, Senhor, eu creio em cada Palavra disso. Creio que Tu és o Filho de Deus que havia de vir ao mundo”. Aí está o representante de Deus; aqui está uma mulher de coração partido; há um homem morto deitado por lá. Esta mulher de coração partido com plena fé está vindo, reconhecendo este dom de Deus aqui, o Filho de Deus, o maior dom já dado ao mundo; dando-Lhe Seu título correto, dando-Lhe Sua adoração correta, dizendo: “Eu creio que Tu és o Filho de Deus, (Essa foi a adoração correta. Ela não adorou Jesus como sendo Deus, mas como o Seu Filho, como o Seu perfeito representante, o maior dom que o mundo já teve) e tudo quanto pedires a Deus, Deus vai dar a Você”. Algo tem que acontecer. Disse: “Sim, Senhor, eu creio. Eu creio que Tu és o Filho de Deus que havia de vir ao mundo”.

A Ressurreição (05/12/1953) § 85 – sem tradução
Aí está a questão; aqui está a mulher, no lugar certo. As engrenagens estão vindo bem juntas. Ela está diante do Representante de Deus. Ela tem um desejo em seu coração, e ela tem o Homem certo, no lugar certo, a atitude certa, e ela está confessando: “Tu és exatamente o que Tu disseste que era. Tu és o Filho de Deus que havia de vir ao mundo. E eu creio que tudo o que pedires a Deus, Deus Te dará, porque Tu és o Seu representante.” Irmão, algo tem que acontecer. Algo tem que acontecer.

34 - Deus é eterno por não ter um princípio, então aquele bebê que nasceu na manjedoura não poderia ser Deus mesmo, mas apenas uma representação física Dele. Portanto a única maneira em que Deus pudesse nascer seria pela representação vicária do Seu Filho Unigênito, e da mesma maneira esse mesmo Deus somente pôde morrer por essa mesma representação. Portanto foi somente por representação que Deus poderia “sofrer os sentimentos dos nenezinhos” ou “passar pelas tentações dos adolescentes”.

35 - Agora, desde quando Jesus Se tornou o representante de Deus? Porque lembre-se que o irmão Branham ensinava que Deus deixou o Seu Filho no Getsêmani, e por esse motivo o Filho disse na cruz: “Meu Deus, Meu Deus, por que Me desamparaste?”.

Adoção Nº. 2 (18/05/1960) §§ 90-91
Quando Ele foi chicoteado: “Eloí, Eloí! Deus Meu! Deus Meu!”. Aquele era o homem. “Por que Me desamparaste?” No Jardim do Getsêmani, a unção O deixou, vocês sabem, Ele teve que morrer como um pecador.

36 - Porém observe que mesmo Deus tendo abandonado o Seu Filho ali, Ele continuou sendo uma representação de Seu Pai, da mesma forma como Ele o era antes de Seu Pai habitar Nele no Jordão. Então veja que Jesus não Se tornou representante de Deus somente quando Deus em Pessoa na forma do Espírito Santo habitou em Seu corpo no rio Jordão para dar início ao Seu ministério. Nem tampouco Jesus Se tornou o representante de Deus somente quando Seu Pai criou um corpo de carne para Si pelo nascimento virginal, mas na verdade, o Filho de Deus Se tornou um representante Seu desde quando Ele foi gerado pelo Seu Pai antes da criação do mundo, como o Logos que saiu de Deus no princípio.

37 - Portanto desde quando o Filho surgiu Ele Se tornou um representante de Deus, pois foi para isso que Deus O gerou: para ser o Seu representante perfeito em todos os sentidos, tanto em palavra como em ações. Quando o Filho era apenas o Logos que saiu de Deus no princípio em um corpo teofânico ou corpo-Palavra, o Filho ali antes da criação estava como Seu representante, e Deus criou todas as coisas por intermédio Dele, mas tudo isso era numa dimensão em que nossos olhos não poderiam contemplar, exceto os seres celestiais. Ao gerar um corpo de carne para esse mesmo Logos, Seu Filho passou agora a ser um representante de Deus também entre os homens em uma forma humana visível. Portanto foi pelo nascimento de Jesus que Deus representativamente nasceu, e foi pela Sua morte que Deus representativamente morreu. Porém não foi Deus que nasceu e nem tampouco morreu, mas o Seu Filho, Jesus Cristo.

38 - Então como foi possível um Deus que não foi criado ser ao mesmo tempo uma criação? Por representação. Como foi possível aquele bebê chorando na manjedoura ser Jeová chorando? Por representação. Como foi possível Jeová fazer orações? Por representação. Como foi possível aquele Deus eterno e imortal que não teve princípio, ter agora um fim na cruz, morrer e depois ressuscitar? Por representação. Não foi Deus Quem nasceu e não foi Deus Quem morreu, foi o Seu Filho, mas por representação você pode dizer que neste Filho Deus foi criado, nasceu e viveu em todos os estágios da vida como nós vivemos e depois morreu como todo o ser humano deve morrer. Representação.

39 - O irmão Branham ensinava que quando Jesus morreu na cruz, Deus O havia deixado só e completamente separado de Sua Presença, porém como o Filho de Deus foi Sua representação na terra desde o Seu nascimento, ao ter morrido, seria possível dizer que foi Deus Quem morreu.

Vivendo, Morrendo, Sepultado, Ressuscitando, Vindo (29/03/1959) §§ 29-31
Davi, oitocentos anos antes que isso acontecesse, gritou com a mesma voz que Ele clamou no Calvário: “Deus Meu, por que Me desamparaste?”. Que coisa terrível que o pecado faz, ele separa o homem de Deus. E Ele era a oferta pelo pecado, que tinha de ser oferecida por nossos pecados. E Ele foi separado da Presença de Deus. O pecado O havia separado. Deus colocou nossos pecados sobre Ele, e Ele foi separado de Deus, e foi por isso que Ele clamou: “Por que Me desamparaste?”. (Então se o Filho foi para a cruz sozinho e separado de Deus, só Quem poderia ter morrido seria o próprio Filho, e não Deus, a menos, é claro, por representação.) E porque Ele foi desamparado, e tomou esse lugar, e viu Seu povo, que Ele viera para ser seu Salvador e lhes oferecer Vida, eles O rejeitaram. E isso O afligiu muito, Seu coração foi tão quebrantado que o sangue e a água, e as substâncias químicas de Seu corpo, separaram-se. O homem nunca saberá o que foi isso. Esta é a razão porque nenhum outro poderia morrer daquela maneira. Não importa o quanto você pudesse ser atormentado, como eles pudessem colocar seus pés em cravos ou serrá-los cada polegada aos poucos, ou queimá-lo aos poucos, você não poderia morrer daquela maneira, pois sua composição não é como aquela. Ele tinha que ser Deus. (Está falando do Seu corpo, que fazia Dele Deus em criação. Seu corpo e composição era muito diferente de um simples homem, pois Seu Sangue era de Deus) Ele tinha que ser mais do que o homem na composição, Deus morreu. (Como poderia Deus morrer se Ele estava separado do Seu Filho? Somente por representação. Veja que ao deixar o Seu Filho no Getsêmani, Jesus voltou ao mesmo estado em que Ele esteve nos Seus primeiros trinta anos de vida até que Deus O enchesse sem medida com o Seu Espírito. Portanto se no Calvário Jesus continuou sendo uma representação de Deus mesmo estando separado Dele, então isso demonstra que desde quando Jesus nasceu Ele já era Sua representação.) Ele morreu com um coração partido, com tamanha dor pelo mundo, a ponto de ocorrer uma reação química em Seu corpo que não poderia ocorrer em você. Você não pode sofrer daquela maneira. Não há como você ter esse tipo de dor. Portanto, há apenas Um que poderia fazer isso, e Ele fez.

A Igreja é a Representante de Deus na Terra Hoje

40 - O irmão Branham disse que hoje a Igreja de Jesus Cristo é a representante de Deus sobre a terra. Como já temos estudado, todos aqueles que receberam a Palavra para este dia, tem recebido em sua vida o Sinal eterno que é dado pelo Poder Vivificador. Estamos aqui como pequenos Messias refletindo e ecoando a Palavra de Deus, andando como Cristo andou.

Jeová-Jiré (17/11/1955) § 9 – sem tradução
...E Deus estava em Cristo, sabemos, ou em Cristo, e Ele era... Antes de Cristo vir, Ele estava representando a Si mesmo nos profetas. (Todos os profetas do Antigo Testamento tinham uma medida da Palavra em si e isso fazia deles Seus representantes. Mas então o que resta para a Noiva de hoje que tem recebido a plenitude da Palavra?) E hoje Ele está representando a Si mesmo na Igreja. Não é verdade? Representando a Si mesmo na Igreja...

E Então Jesus Veio (13/12/1957) § 23 – sem tradução
Jesus era o representante de Deus no dia de Marta. E a Sua Igreja é o Seu representante neste dia. Sua Igreja, o Corpo de crentes, é o Seu representante.

Deus Voltará a Se Encarnar no Seu Filho no Milênio

41 - Então como ensinava o irmão Branham, hoje Deus está sobre a terra andando em carne humana por meio da Sua Igreja, porém o irmão Branham disse que na terceira Vinda de Cristo Ele voltará não somente como o representante de Deus, como Ele sempre foi desde antes da fundação do mundo, como também Deus mesmo estará outra vez encarnado em Seu Filho, manifestado em carne humana para reinar conosco no Milênio.

O Quarto Selo (21/03/1963) §§ 195, 210
Mas quando nosso Senhor aparece aqui na terra, Ele estará cavalgando um cavalo branco como a neve. E será completa e plenamente o Emanuel, a Palavra de Deus encarnada em um Homem (...) Observe Cristo. Na primeira vinda, Ele veio como um mortal, para sangrar e morrer. Está certo? Essa foi a Sua primeira vinda. A segunda vinda é o Arrebatamento; nós O encontramos nos céus, imortal. Na Sua terceira vinda, Ele é o Deus encarnado. Amém! Deus, Emanuel, para reinar sobre a terra!




www.doutrinadamensagem.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário